Fonte: NEAR

Este guia pretende ajudar qualquer pessoa interessada em entender o que NEAR realmente é. Isso inclui novos usuários, interessados da comunidade, parceiros em potencial e os contribuidores novos da NEAR. Mostraremos uma compreensão simples do que é a NEAR como um todo e como você pode aprender o que precisa para se envolver diretamente e o porque.

Este guia parte do principio que você já está familiarizado com o alto nível de conhecimento do que é uma blockchain, então não usaremos nenhum desses diagramas de blocos e linhas.

O básico

Então, o que é NEAR (também conhecido como “a plataforma NEAR”)? NEAR é uma plataforma de desenvolvimento descentralizada construída sobre o Protocolo NEAR, que é uma blockchain pública, fragmentada, amigável ao desenvolvedor e na forma de POS (Prova de Delegação ou “Proof of Stake ). Dito de outra forma, NEAR é como uma plataforma na nuvem pública administrada pela comunidade. Isso significa que é uma plataforma altamente escalonavel e de baixo custo para os desenvolvedores criarem aplicativos descentralizados. Embora seja construída em cima da blockchain de Protocolo NEAR, a plataforma NEAR também contém uma ampla gama de ferramentas que vão de “explorers” a ferramentas CLI para aplicativos de carteira e componentes de interoperabilidade que ajudam os desenvolvedores a construir muito mais facilmente e o ecossistema a escalar muito mais amplamente.

Enquanto a maioria das outras blockchains “escaláveis” usam abordagens que centralizam o processamento em hardware de ponta para fornecer um aumento temporário na taxa de transferência, a abordagem do protocolo NEAR permite que a capacidade da plataforma seja escalonada quase linearmente até bilhões de transações de uma forma totalmente descentralizada.

NEAR está sendo construído pelo NEAR Collective, uma coleção global de pessoas e organizações que estão construindo de forma colaborativa este enorme projeto de código aberto. Todos neste Coletivo estão focados em permitir melhorias de usabilidade para desenvolvedores e seus usuários finais, para que a próxima onda de aplicativos possa cruzar o abismo para um público mais geral que até agora tem sido incapaz de trabalhar consistentemente com aplicativos baseados em blockchain desenvolvidos nas plataformas de hoje.

Este Coletivo contém uma série de equipes extraordinárias e inclui programadores competitivos em nível de campeonato que construíram alguns dos primeiros sistemas de banco de dados fragmentados em escala do mundo. Em um espaço dominado por projetos de pesquisa acadêmica e fracassos de lançamento, a NEAR tem uma equipe acostumada a entregar. Ela também é apoiada por contribuições financeiras e comunitárias dos melhores nomes da indústria cripto.

Esta é uma oportunidade para construir o piso térreo para uma Internet muito melhor, que coloca o usuário no controle de seu dinheiro, seus dados e sua identidade. Com o potencial para criar serviços de estado aberto combináveis, é uma chance de dar o pontapé inicial na maior onda de inovação – e progresso de negócios – desde a Internet. Essa visão é a maior – existem poucas oportunidades no mundo maiores do que aquela que estamos enfrentando.

NEAR não é uma cadeia lateral, não é um token ERC20 ou uma blockchain específica de tarefa altamente especializado … é nada mais nada menos do que um protocolo de primeira camada totalmente novo e fundamentalmente reimaginado, projetado para alimentar de forma independente a nova base da Open Web emergente.

Ok … Vamos voltar e assumir que você ainda está se atualizando sobre o que seria uma blockchain pública, fragmentada, amigável para o desenvolvedor e em forma de POS (Prova de delegação ou “Proof of Stake”).

Em resumo:

O NEAR Collective está basicamente construindo a infraestrutura para uma nova Internet que torna mais difícil para grandes empresas roubarem seus dados e para pessoas malfeitoras de alguns países tentarem fechá-la. Muitos vem tentando implementar essas coisas com outras tecnologias semelhantes desde 2008, mas tudo estáva indo muito devagar.

Você já ouviu falar do Bitcoin? Que todo mundo acha que é aquela moeda digital que só é usada por criminosos e ditadores do terceiro mundo. Bem, apesar da péssima reputação e de muitas tropeçadas ao longo do caminho, dez anos depois eles ainda não conseguiram matar Bitcoin, então você sabe que ele foi construído com uma tecnologia muito resistente Basicamente, estamos tentando usar o mesmo tipo de tecnologia para alimentar uma Internet totalmente nova, que é tão difícil de matar ou estragar tudo.

Alguns outros projetos, especialmente um chamado Ethereum, tentaram fazer isso há alguns anos e tiveram um bom começo, mas acabaram se atolando nas dores do crescimento da tecnologia inicial e eram muito lentos e caros para serem adotados pelo público em si. Agora, muitas pessoas realmente inteligentes estão trabalhando em uma maneira de acelerar isso e manter os custos baixos, garantindo que essa nova Internet seja tão difícil de ser invadida ou destruida quanto é o Bitcoin.

Você pode ler mais sobre essa jornada na Evolução da Web Aberta.

Em resumo 2:

A Near não está sendo construida como a única blockchain que está assumindo os problemas de dimensionamento e custo, mas ela tem uma equipe formada por estrelas.

Para definir o cenário, está sendo montado uma “blockchain de camada base”, o que significa que está no mesmo nível de infraestrutura de projetos como Ethereum, EOS ou Polkadot. Isso significa que todo o resto será construído em cima do NEAR.

É uma plataforma de uso geral que permite aos desenvolvedores criar e implantar aplicativos descentralizados em cima dela. Uma analogia decente é que é mais ou menos como a plataforma AWS da Amazon, que é onde a maioria dos aplicativos que você conhece e ama hospeda seus servidores, exceto que a plataforma NEAR não é realmente executada e controlada por uma empresa, é executada e controlada por milhares ou até milhões de pessoas. Você pode chamá-la de “nuvem operada pela comunidade”, mas geralmente preferimos simplesmente chamá-la de “plataforma de aplicativo descentralizada”.

O Arco da Tecnologia

Bitcoin é o “dinheiro programável” ou “ouro digital” da atualidade. Ele tem feito um bom trabalho no cumprimento dessas funções, mas seu uso até agora como uma plataforma de computação de uso geral (como estamos construindo) é uma catastrofe. Essencialmente, os desenvolvedores viram que poderiam hackear alguns programas básicos além da funcionalidade limitada que o Bitcoin fornecia e começaram a usar o Bitcoin como base para alguns desses novos aplicativos porque agora é altamente confiável e seguro.

Infelizmente, as transações são muito caras e, como definitivamente NÃO era para isso que a plataforma Bitcoin se destinava, a funcionalidade é muito limitada. A plataforma lá é lenta (cerca de 4 transações por segundo), cara e um desperdício de energia global.

A Ethereum, em 2014, tentou abordar diretamente esse caso de uso criando uma plataforma que, desde o primeiro dia, pretendia usar a mesma tecnologia de blockchain para construir um computador virtual global no qual qualquer aplicativo poderia ser construído.

Portanto, se Bitcoin fosse realmente apenas uma calculadora básica, Ethereum seria uma calculadora gráfica sofisticada da TI-83 na qual você poderia escrever alguns jogos interessantes, embora básicos. Embora colocando boas ideias em prática, também é bastante lento (14 transações por segundo) e ainda muito caro para os desenvolvedores usarem. Eles tentaram atualizar isso, mas agora estão tendo dificuldade em dinamizar por causa de quanto trabalho técnico, armazenamento de valor e crescimento da comunidade já ocorreram em seu modelo ínicial.

As soluções de dimensionamento da “Segunda Camada”, incluindo “canais de estado” e “cadeias laterais”, surgiram para tentar melhorar o desempenho e o custo dessas plataformas mais lentas (porem seguras), tirando parte do trabalho da cadeia principal e realizando em outro lugar. Elas existem para a Bitcoin e o Ethereum, mas não alcançaram a adoção que era esperado.

Algumas blockchains surgiram para aceitar esse desafio, lançadas em 2017–2018 com uma ampla variedade de abordagens para ajudar no problema de dimensionamento. Elas tentaram centralizar mais o hardware (por exemplo, EOS), mas a maioria das abordagens ainda é limitada porque cada um dos “nós” que compõem a rede está repetindo exatamente o mesmo trabalho, se houver 21 deles ou 1.000. Portanto, essas abordagens foram capazes de atingir taxas de transferência de milhares (ou mais) transações por segundo, mas muitas vezes sacrificaram a descentralização para isso.

Blockchains escaláveis como a NEAR representam a nova geração. Nesse caso, a NEAR se liberta da ideia de que cada nó que participa da rede precisa executar todo o código, porque isso cria essencialmente um grande gargalo de desperdício e retarda todas as outras abordagens.

Para consertar isso, a NEAR usa uma técnica chamada “sharding” ou fragmentação do banco de dados (explicação técnica) que divide a rede de forma que grande parte da computação seja realmente feita em paralelo. Isso permite que a capacidade da rede aumente conforme o número de nós na rede aumenta, para que não haja um limite teórico na capacidade da rede.

Ao contrário de muitas outras abordagens de fragmentação, que ainda exigem que os nós sejam executados em um hardware cada vez mais complexo (reduzindo a capacidade de mais pessoas participarem da rede), a técnica usada na NEAR permite que os nós permaneçam pequenos o suficiente para serem executados em instâncias simples hospedadas na nuvem.

Mas não se trata apenas de dimensionamento. Na verdade, para que o dimensionamento seja um benefício, os desenvolvedores precisam ser capazes de criar aplicativos que as pessoas realmente usem, e as blockchains atuais tornam isso difícil tanto para o desenvolvedor quanto para o usuário final. Muitos desses problemas devem ser resolvidos configurando o protocolo adequadamente desde o início e poucos projetos que se concentram na escalabilidade levaram isso em consideração.

Por exemplo, muitas soluções de escalabilidade exigem que os desenvolvedores criem e provisionem sua própria blockchain (ou “cadeia de aplicativos”), o que é uma enorme quantidade de trabalho e manutenção. Em comparação, a NEAR permite que os desenvolvedores apenas implantem seu aplicativo sem pensar muito sobre como a infraestrutura em torno dele opera ou dimensiona, o que é mais parecido com as nuvens modernas como Amazon AWS ou GCP ou Azure que conduzem quase todos os aplicativos da web de hoje.

Algumas notas rápidas…

Existem alguns tipos de projetos que se encaixam na paisagem, mas não serão abordados muito aqui:

Moedas: fundamentalmente, qualquer token pode operar como uma moeda porque você pode usá-lo como uma unidade de conta, meio de troca e / ou reserva de valor. Mas uma série de blockchains foram criadas para atuar especificamente como moedas (Bitcoin, Zcash, Monero …) ou operar diretamente no mundo das moedas (Ripple, Stellar, Libra). Estas não são plataformas de computação geral parecidas com a NEAR almeja.

Cadeias privadas: algumas blockchains, como o projeto Hyperledger da Linux Foundation ou R3 Corda, são apresentados a grandes empresas como um tipo de blockchain mais segura porque permitem que essas empresas controlem todos os nós da rede. Embora a NEAR também tenha a capacidade de fornecer privacidade em seus fragmentos de rede, vão ser ignoraradas dessa categoria de cadeias, porque as maiores vantagens de segurança vêm da ampla descentralização pública, não construindo um oligopólio de algumas grandes empresas que controlam a cadeia.

“DAGs”: Este é o mais complicado porque essas cadeias atuam no mundo da blockchain e estão, essencialmente, fazendo o mesmo tipo de coisa – criando um ledger (coleção de registros) imutável.Eles são chamados de “DAGs” por causa do termo da ciência da computação “Gráfico Acíclico Direcionado”, que é a estrutura de dados real que os compõe. De modo geral, esses projetos, como o IOTA, tendem a criar uma bagunça complicada de transações entre vários dispositivos pequenos, que funcionam como uma blockchain. É escalonável, mas apresenta muitos desafios de segurança e implementação.

Mais sobre a NEAR

A coleção de equipes que compõem o NEAR Collective está construindo a NEAR Platform, que é construída em cima do NEAR Protocol, que é uma blockchain fragmentada, amigável ao desenvolvedor e em forma de POS, possibilitando que os desenvolvedores possam construir aplicativos descentralizados em cima dela.

Vamos investigar o que o Protocolo NEAR realmente faz …

Uma rede descentralizada

Conforme mencionado acima, NEAR é semelhante em princípio à infraestrutura “baseada em nuvem” na qual os desenvolvedores atualmente criam aplicativos, exceto que a nuvem não é mais controlada por uma única empresa executando um data center gigante – esse data center é na verdade composto todas as pessoas ao redor do mundo que são nós operacionais dessa rede descentralizada. Em vez de uma “nuvem operada pela empresa”, é uma “nuvem operada pela comunidade”.

Aqui estão algumas perspectivas sobre por que essa descentralização é útil:

  1. Desenvolvedores / empreendedores: é bom ter um aplicativo descentralizado dessa forma porque, como desenvolvedor, você não está à mercê de uma única empresa como a Amazon ou mesmo de um governo que queira encerrar o aplicativo … ambos os quais atormentaram empresas desde o início. Durante o processo de desenvolvimento, você também obtém acesso a algumas funcionalidades extras “gratuitamente”, como pagamentos e criptografia, o que pode ser um desafio para configurar em um aplicativo tradicional.
  2. Usuários finais: é melhor ter um aplicativo descentralizado em alguns casos porque o código é todo aberto (então você sabe exatamente o que está fazendo) e não pode ser alterado depois de ter sido iniciado (então não há chance serem feitos coisas imprecisas com seu dinheiro ou dados). Melhor ainda, o aplicativo é ativamente desincentivado de acumular seus dados.

Vamos nos aprofundar um pouco mais em como essa rede funciona.

O token NEAR

Então, quem realmente dirige todos os “nós” individuais que compõem esta rede descentralizada? Quem se sentir devidamente incentivado a fazê-lo! Os incentivos para esta rede sem permissão são alimentados pelo token NEAR.

O token NEAR é como as pessoas que usam aplicativos na rede pagam para enviar transações aos nós que realmente executam a rede. O token é, portanto, um utilitário – se você o mantiver, poderá usar aplicativos hospedados na rede.

Isso é um pouco diferente da web de hoje, onde os aplicativos são de propriedade de desenvolvedores individuais ou corporações que pagam suas contas de hospedagem em nuvem em nome de seus usuários. Alguns aspectos do protocolo NEAR permitem que os desenvolvedores façam isso também, mas, para simplificar, se assume que os usuários pagam diretamente pelo uso da rede.

Como a NEAR é um protocolo sem permissão, qualquer um pode executar um dos nós que operam a rede, validando as transações que foram enviadas à rede. Mas para executar a infraestrutura, mesmo um código simples que você pode executar em um laptop, custa algum dinheiro e tempo, e poucas pessoas fariam isso de graça. Assim, em troca da execução desse serviço, você ganha uma parte das taxas de transação pagas pelos usuários durante cada bloco em que está validando transações.

Como a rede se certifica de que você está realmente executando o código que deveria e não apenas aproveitando e ganhando dinheiro? Você deve dar “stake” em seus tokens (o que basicamente significa colocá-los em depósito) como um gesto de boa fé. Se você realizar qualquer comportamento malicioso (como tentar hackear o sistema ou bagunçar as transações de outras pessoas), você perderá seu stake. O sistema descobre isso chegando a um “consenso” entre os nós em cada período e determinando como o código deveria ter sido executado para que seja fácil identificar quem o fez de maneira inadequada.

Felizmente, você realmente não precisa pensar sobre essas coisas porque, contanto que você baixe e inicie o programa de nó padrão de uma fonte confiável, tudo vai acontecer nos bastidores pelo código do aplicativo que você baixou e, portanto, você não perderá seu stake.

Como você ganha dinheiro como uma “empresa”?

Boa pergunta. Para começar, a NEAR não é uma empresa!

Um dos maiores obstáculos que as pessoas parecem ter com as blockchains é descobrir como funcionam como se fossem negócios tradicionais. E isso é totalmente válido, pois a bolha de 2017 viu todos os tipos de esquemas de monetização complicados que na verdade não faziam nenhum sentido e geralmente não exigiam um token.

A chave para entender isso é perceber que toda a economia que suporta a rede NEAR está incorporada no nível do protocolo e permite que qualquer pessoa participe do protocolo executando um nó de validação. Os usuários da rede pagam custos para usar esta rede e os provedores da capacidade da rede recebem recompensas por esta atividade. Não há nenhuma empresa sombria por trás de tudo isso, secretamente tentando vender assinaturas ou algo parecido. O protocolo tem economia uma autossustentável.

As pessoas que desenvolveram a tecnologia inicial são recompensadas com a participação na alocação inicial de tokens e financiadas por contribuições fiduciárias dos primeiros financiadores.

O que é o Coletivo NEAR?

NEAR Collective é o grupo de equipes distribuído globalmente, composto por várias organizações e colaboradores individuais, que se auto-organizam para dar vida a essa tecnologia. Não é um negócio ou algo quase tão formal. Pense nisso como os grupos de pessoas que executam grandes projetos de software de código aberto.

Um dos projetos do Coletivo é escrever o código inicial e a implementação de referência para a rede NEAR de código aberto, mais ou menos como construir foguetes no ônibus espacial. O trabalho deles é fazer o trabalho de P&D necessário para ajudar a blockchain a entrar em órbita. O código dessa cadeia é aberto, e portanto assim, qualquer pessoa pode contribuir ou executá-lo.

É importante enfatizar que redes como a NEAR são projetadas para serem totalmente descentralizadas. Isso significa que, em última análise, elas operam completamente por conta própria e não podem realmente ser censuradas, desligadas ou de alguma forma manipuladas por terceiros … nem mesmo as equipes que os criaram inicialmente! Portanto, embora os membros desse coletivo estejam aqui para dar o pontapé inicial na construção da implementação de referência, eles rapidamente se tornam não essenciais para a operação da rede, uma vez que ela começou a funcionar. Na verdade, uma vez que ela esteja pronta para o lançamento, qualquer um pode modificar e executar o código do protocolo NEAR para iniciar sua própria blockchain e quaisquer alterações teriam que ser aceitas democraticamente pelos validadores independentes que a executam.

Dito isso, as equipes principais podem (e espero que continuem) continuar atualizando o sistema e realizando correções de bugs. Depois que a rede foi lançada, qualquer trabalho de desenvolvimento em andamento terá o apoio da governança da rede por meio de doações ou outros meios.

Um membro do Coletivo é a Fundação NEAR, uma entidade sem fins lucrativos cujo objetivo é construir um ecossistema vibrante e ativo de longo prazo em torno da blockchain. A Fundação ajuda a coordenar algumas das atividades iniciais de desenvolvimento e governança.

Qual é o caminho adiante?

Nas fases iniciais desse mercado, os projetos se concentravam em exibir um monte de métricas de vaidade a fim de atrair o maior número possível de investidores de varejo para um grande ICO (oferta inicial de moedas). Isso significava tentar ter a maior comunidade do Telegram, os consultores mais renomados, os projetos de POS mais atraentes de grandes empresas e assim por diante.

Obs: O “boom” da ICO terminou em 2018.

As equipes técnicas estão trabalhando para garantir que a tecnologia seja implementada de maneira adequada, e sim, tudo de código aberto. Isso significa que qualquer pessoa no mundo poderia, teoricamente, apenas copiar o código e executar sua própria blockchain NEAR. Agora, não é tão fácil assim quanto você pensa mas nossas equipes experientes vão te ajudar caso você tente isso, em última análise, a tecnologia é apenas uma vantagem baseada no tempo. A verdadeira beleza vem da construção de uma grande comunidade.

O ecossistema é mais útil quando há muitos aplicativos e muitos usuários que os desejam usar. e a principal métrica a buscar é a adoção e o uso da plataforma.

Muitos projetos estão se concentrando em direcionar os desenvolvedores para construir aplicativos em suas plataformas. Isso é obviamente importante, pois se trata de um campo altamente técnico, mas não é a única coisa que importa. Especificamente, se você olhar para a história das principais plataformas de desenvolvimento, verá que aquelas que são realmente bem-sucedidas precisam oferecer suporte a negócios reais em escala, não apenas a um monte de projetos paralelos.

Portanto, construir um ecossistema que tenha o tipo de amplitude funcional e profundidade técnica para criar negócios em escala de longo prazo é tudo para a NEAR. Isso requer esforços significativos nas dimensões de construção da comunidade, educação e experiência geral do usuário. E muitas ferramentas técnicas interessantes também, é claro!

Felizmente, se obterem sucesso, vão ter a oportunidade de impulsionar a maior criação de riqueza desde a Internet original, ajudando desenvolvedores e empreendedores em todos os lugares a acessar novos mercados e construir novos tipos de negócios com base no Protocolo NEAR.

Por que a NEAR terá sucesso?

Você pode ver isso de duas perspectivas – o que torna o protocolo NEAR provável de realmente chegar ao mercado e o que o torna melhor para os desenvolvedores / usuários finais assim que chegarem lá.

Questões de execução:

O que diz que a equipe NEAR vai superar a concorrência e entrar no mercado com a tecnologia certa no prazo certo?

Para começar… NEAR já lançou a sua MainNet! E passou a operação para a comunidade conforme planejado :). Mas também…

Se você acessar o site do projeto NEAR, verá que a sua equipe que já enviou sistemas fragmentados antes nas configurações durante a fase de produção. Ter esse tipo de equipe experiente por trás disso já diferencia o protocolo NEAR de quase todas as outras redes existentes.

Essa tecnologia é complicada! Tecnicamente falando, a fragmentação é uma abordagem de escalonamento que está sendo seriamente tentada por cerca de uma dúzia de redes, incluindo a líder de mercado Ethereum … mas eles levaram anos para montar sua proposta e esperam levar mais anos para implementá-la. Portanto, não é trivial começar.

Para completar, a equipe NEAR tem o apoio dos melhores patrocinadores financeiros e não financeiros do setor e um quadro de consultores informais que abrangem tudo, desde economia e design de mecanismo até criptografia e design de blockchain.

Obstáculos

Este mercado e a sua tecnologia – ainda está na fase de “arregaçar as mangas”. Cada grande grupo de partes interessadas tem desafios:

  1. Para os desenvolvedores, isso significa que as ferramentas são realmente difíceis de usar e centenas de equipes estão construindo centenas de coisas diferentes que apontam em todas as direções diferentes, incluindo alguns projetos que inventam suas próprias linguagens de programação. Em suma, é o caos e é doloroso desenvolver em sistemas existentes.
  2. Para os usuários finais, o caminho para começar com projetos cripto e a nova web é incrivelmente longo. No mundo normal da web, você perde uma grande parte de usuários para cada etapa que os faz passar antes de atingir seu objetivo. Agora, para fazer com que um novo usuário do zero jogue um jogo baseado em cripto ou envie dinheiro a um amigo, leva literalmente * dezenas * de etapas … e é incrivelmente lento e um tanto caro executar essas etapas.
  3. Para validadores, as pessoas que executam os nós que realmente operam a rede, suas opções para receber tokens de suas comunidades são muito limitadas pelos projetos de protocolo existentes, então eles são forçados a competir entre si com base inteiramente no preço.

Todos esses problemas exigem um foco na experiência do usuário e nas necessidades do usuário, então, em vez de começar impulsionando a tecnologia e ver o que acontece, a NEAR desenvolveu muitas ferramentas de apoio com foco nessas experiências.

Aplataforma NEAR é descrita como “amigável ao desenvolvedor” ou “utilizável” porque ela implementa soluções no nível do protocolo para cada um desses problemas:

  1. Para desenvolvedores, o modelo de conta baseado em contrato da NEAR permite que eles criem permissões avançadas em seus aplicativos e assinem transações em nome dos usuários. Eles também têm acesso a um conjunto de ferramentas que tornam a composição de aplicativos simples e a oportunidade de um desconto de taxa em nível de protocolo que os compensa por criar aplicativos bem usados ​​e infraestrutura crítica de sistema.
  2. Para os usuários finais, o modelo de conta flexível permite que eles se beneficiem da “UX progressiva”, o que significa que não precisam mexer em carteiras ou tokens até que estejam prontos porque o aplicativo os esconde nos bastidores. Para seus usuários finais, a forma como suas contas são configuradas permite experiências de integração mais suaves que não exigem tantos passos ou tantos pop-ups de carteira irritantes.
  3. Para os validadores, ter acesso à “delegação” no nível do contrato significa que eles podem criar ofertas infinitamente diversificadas de seus serviços, tornando a NEAR um local muito atraente para executar nós de validação.

Quais são os casos de uso para a blockchain NEAR?

Uma das questões mais quentes é quais são os casos de uso para blockchains precisamente porque não foi respondido definitivamente. Claro, ela está sendo usada em tudo, desde o rastreamento da cadeia de suprimentos até pagamentos transfronteiriços, mas a maioria desses casos ainda é muito cedo para terem alcançado a adoção convencional.

A NEAR está conversando com centenas de empresas existentes e empreendedores oportunistas sobre como uma blockchain verdadeiramente escalável e utilizável pode desbloquear novas oportunidades de negócios. Algumas áreas para começar incluem jogos e finanças descentralizadas, mas isso é apenas o começo. Em muitos casos, ela começa pegando as coisas que as pessoas já fazem em cadeias de menor desempenho – como Open Finance no Ethereum – e escalando-as para mais usuários e usos em potencial, fornecendo uma cadeia mais versátil e de maior desempenho.

No longo prazo, assim como com a revolução original da Internet, os primeiros casos de uso provavelmente apenas preencherão a lacuna até que as pessoas inventem modelos de negócios inteiramente novos. É aqui que as novas ideias sobre a composição de microsserviços e o estado aberto / transferível (um paradigma que chamamos de Web aberta) são realmente interessantes.

O que devo aprender a seguir?

Se você chegou até aqui, provavelmente está curioso para saber mais. Blockchain é um campo altamente técnico que cobre quase todas as disciplinas. Se você ainda não conhece a blockchain, comece aqui para obter uma visão geral do ecossistema e de seu desenvolvimento:

  1. Desconstruindo o ecossistema de blockchain (2018, slides)
  2. O estado do produto blockchain, design e desenvolvimento (2018)

Depois disso, é uma boa ideia começar a mergulhar um pouco mais fundo nas disciplinas funcionais. A próxima camada mais profunda é explorar o White Paper do Protocolo NEAR, que é uma desconstrução legível de todos os aspectos do projeto. Você pode encontrá-lo junto com os outros artigos técnicos em: https://near.org/technology

Material Técnico

Não importa qual função você tenha, você precisará se atualizar tecnicamente porque a linguagem vai aparecer repetidamente. Isso não significa necessariamente que você tenha que entender toda a ciência da computação subjacente, mas você deve saber o básico.

O que são aplicativos descentralizados e como eles funcionam (slides)

Usando blockchain em aplicativos “regulares” da web e móveis (slides)

Uma visão geral de “tudo que você precisa saber” no desenvolvimento da blockchain por Haseeb Qureshi

Material específico sobre a NEAR:

  • Visão global:

Confira o white paper da NEAR para a primeira camada de profundidade nos aspectos técnicos deste projeto.

A partir daí, este blog (em https://near.org/blog) é o melhor registro de especificações técnicas conforme elas crescem e mudam com o tempo. Inscreva-se para receber atualizações em https://near.org/newsletter.

Uma boa introdução está no blog Bison Trails.

  • Economia:

Saiba mais sobre como a NEAR Economics funciona no post de Introdução à NEAR Economics

Mergulhe mais fundo no NEAR Economics Paper

Se você está curioso em adquirir tokens no futuro, qualquer informação sobre isso estará disponível na página de tokens.

  • Técnico:

A NEAR Whiteboard Series no YouTube tem os fundadores Alex e Illia fazendo análises técnicas profundas com os fundadores de mais de 30 outros projetos, incluindo Ethereum, Cosmos, Nervos, Celo, IOTA e assim por diante.

Diferenças entre a abordagem NEAR e fragmentação Ethereum 2.0 (escrito com o feedback de Vitalik)

Conversa sobre fragmentação em Blockchain @ Berkeley

Trabalho com Vlad Zamfir em uma fragmentação POC durante o hackathon Ethereum SF

  • Design

O foco é construir uma ótima experiência para o desenvolvedor e o usuário final. E aqui estão alguns recursos que serão úteis do ponto de vista do design.

  1. Melhorando a experiência do desenvolvedor de blockchain (slides)
  2. O design de aplicativos baseados em blockchain (DApps) (slides)
  3. Por que o futuro será impulsionado por “UX Equilibrium”
  4. Confira o grupo de encontro de produtos, design e desenvolvimento Blockchain de São Francisco.
  5. Bônus: Procure no YouTube palestras do pessoal da Consensys, Coinbase e IDEO Colab.

Recursos Gerais

Podcasts

Os podcasts são uma das melhores maneiras de se educar, porque os catálogos anteriores podem ser muito informativos.

  1. Laura Shin’s Unchained e Unconfirmed (http://unchainedpodcast.co/) (https://unconfirmed.libsyn.com/) para entrevistas em inglês
  2. Epicenter (https://epicenter.tv/) para um mergulho um pouco mais técnico em vários sistemas
  3. Zero Knowledge (https://www.zeroknowledge.fm/) é outro no lado mais técnico.

Boletins informativos

Não há muitos boletins informativos excelentes e você deve evitar qualquer coisa que seja principalmente focada em preços ou negociações. Dito isso, verifique:

  1. Token Economy (http://weekly.tokeneconomy.co/) é um bom resumo semanal.
  2. Off the Chain de Anthony Pompliano diariamente (https://offthechain.substack.com/)
  3. O boletim informativo CB Insights (https://www.cbinsights.com/newsletter) é mais abrangente, mas geralmente tem uma história de blockchain de interesse geral por edição.

Escrita

  1. A equipe da a16z Crypto tem excelente redação sobre tudo, desde questões jurídicas sobre tokens até o futuro da web. Veja o blog principal deles em https://a16zcrypto.com/content, mas também verifique o blog do a16z original antes de 2018, quando eles migraram para o novo site para o conteúdo legado, o que também é ótimo.
  2. Vitalik, da Fundação Ethereum, tem sido um escritor prolífico ao longo dos anos e quase tudo que ele publica é interessante. Confira seu blog em https://vitalik.ca/ e pesquisas relacionadas ao Ethereum em https://ethresear.ch/.

Pessoas e comunidade na NEAR

  1. Para se manter atualizado continuamente, siga seu Twitter em https://twitter.com/nearprotocol
  2. Para participar de uma discussão mais aprofundada da comunidade e conversar com a equipe, acesse seus canais de bate-papo: http://near.chat
  3. Para saber mais e ficar por dentro à medida que é públicado mais conteúdo sobre o protocolo e a indústria em geral, inscreva-se em suas atualizações e newsletter (https://near.org/newsletter) e inscreva-se no canal do YouTube (https: // www.youtube.com/nearprotocol)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui